Publicações recentes

Publicações recentes:

06 abril 2009

Ibmec SP muda nome para Insper

A partir de maio, o Ibmec São Paulo muda oficialmente de nome. Depois de mais de um ano de estudos e de passar pelo crivo do conselho deliberativo, dos ex-alunos, professores, funcionários e amigos (doadores), a instituição passa a se chamar Insper Instituto de Ensino e Pesquisa. Segundo o diretor-presidente da instituição, Cláudio Haddad, trata-se de um nome abstrato, que reúne partes de duas palavras emblemáticas para a escola: inspirar e pertencer.

antigo nome e logotipo


novo nome e logotipo

A mudança acontece apenas na instituição paulista. O nome Ibmec continua a ser usado no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Brasília, escolas comandadas pela Veris Educacional S.A. Desde 2004, a filial de São Paulo já atua de forma independente, desde que foi doada ao Instituto Veris, entidade sem fins lucrativos. "Os nossos planos são muito diferentes das outras escolas. Vivíamos uma situação de conflitos potenciais que se agravou ao longo do tempo", diz Haddad.

O Ibmec São Paulo surgiu a partir do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), fundado no Rio de Janeiro, em 1970, com o objetivo de produzir pesquisa e gerar conhecimento para o mercado de capitais. A partir de 1985, iniciou atividades educacionais com cursos de pós-graduação lato sensu. Em 1995, passou a oferecer cursos de graduação e pós stricto sensu, no Rio de Janeiro e, em 1999, em São Paulo.

Para criar a nova marca, o Ibmec São Paulo separou do orçamento cerca de R$ 2 milhões. "Ainda não gastamos tudo isso", explica Haddad. A estratégia agora é investir no processo de comunicação para fixar a nova marca e apagar uma já consolidada. "Como atuamos com um público muito definido, temos um único campus, não acho que será tão difícil", acredita. A escola não pretende desenvolver grandes ações de marketing para fazer essa divulgação e sua maior aposta é mesmo no "boca-a-boca".

Para chegar à Insper, a Interbrand, empresa contratada para criar a nova marca, apresentou 34 sugestões. No fim do processo, dois nomes passaram por uma consulta pública entre os diversos stakeholders da instituição. Eles escolheram entre Insper e lidera (em letras minúsculas). A marca vencedora convenceu três quartos dos participantes. "Nome é questão de costume, o que a instituição faz é o que conta", diz Haddad.

O balanço do Ibmec São Paulo ainda não está fechado, mas deve indicar uma receita bruta em 2008 em torno de R$ 82 milhões, segundo Haddad. Ele diz que o orçamento deste ano foi revisado e sofreu ajustes por conta da crise. "Adiamos o que foi possível", diz. O projeto de erguer uma torre este ano, que funcionaria como um anexo do atual prédio da escola, por exemplo, está suspenso. Apenas para equipar o novo espaço, a instituição teria que desembolsar R$ 16 milhões. "Os investidores também desistiram de financiar a obra", conta.

Desde 2006, o Ibmec São Paulo ocupa um prédio luxuoso no bairro de Vila Olímpia, na capital paulista, fruto de um investimento de R$ 42 milhões. Ele tem 10 mil metros quadrados e abriga 27 salas de aula. Por elas, circulam quase 4 mil alunos dos cursos de graduação, MBAs, mestrados e dos customizados para empresas.

Até o momento, segundo Haddad, a crise financeira está afetando mais os chamados "in company". Em 2008, a instituição realizou cerca de 70 cursos nesses moldes. "Muitos foram adiados", diz. Ele afirma que a procura por parte dos alunos, entretanto, não diminuiu. "Tivemos no fim do ano 2.500 candidatos para 150 vagas na graduação. A busca pela pós também continua alta", afirma.

Outras medidas de contenção de despesas estão sendo tomadas pela escola, mas nada radical, segundo Haddad. "Contratamos seis novos professores em 2008, agora não pretendemos contratar mais nenhum", explica. A escola tem 27 professores atuando em tempo integral, com a responsabilidade de realizar pesquisas. No ano passado, eles escreveram 20 artigos para publicações científicas internacionais. Além deles, existem outros 100 professores, muitos vindos do mercado, atuando em tempo integral ou "part-time", sem o compromisso de se dedicarem à pesquisas. O diretor-presidente da Insper está otimista sobre os próximos meses. "O ano está melhor do que esperávamos. Com a queda nas vendas no fim do ano, achávamos que o impacto na economia seria maior e isso não aconteceu", diz. A diferença agora é que trabalhamos com um orçamento mais conservador".

Fonte: Valor Econômico - 01/04/09

---

Particularmente,acho essa mudança bastante arriscada para a instituição.

10 comentários:

Anônimo disse...

Zuada essa mudança... Não é nome de faculdade isso... Ibmec decepcionou com esse novo nome, esperava mais. Mudar de nome é uma coisa, estragar o nome da faculdade é outra...

Vinicius disse...

Não gostei da mudança de Nome e da separação. Acho que o Ibmec SP deveria atuar em conjunto com os demais Ibmecs até pelo fatos de as outras instituições serem excelentes. Assim como a FGV tem filiais no Rio e Brasilia. Acredito que o Ibmec deveria ser igual.

Daniel disse...

Tbm nao gostei da mudança, foi um passo dado para trás em 12 anos, que é o tempo q o ibmec existe. E o pior é que todo mundo paga pau para o Claudio Hadad, sempre achando que tudo o que ele faz é o melhor; ninguem questiona. Não há pensamento crítico na faculdade, há na realidade uma babação de ovo pra fazer média com os professores e diretores. Fazer o que, essas mesmas pessoas que mudaram o nome sao as mesmas responsáveis pela crise economica que o mundo se encontra - "um bando de banqueiros brancos de olhos azuis", como diria sua excelência.

Anônimo disse...

Afff q frescura, é só um nome. A mudança não vai piorar a qualidade de ensino da faculdade.

Arnaldo Rabelo disse...

As faculdades de qualidade são escolhidas por sua reputação, que se expressa através de seu nome e logotipo (ou, de forma mais ampla, de sua marca).

Uma mudança no nome elimina o reconhecimento dessa marca, o que prejudica os alunos que pretendem utilizá-la em seu currículo para se destacar.

Carlos disse...

Com certeza, a "marca" é fundamental para qualquer instituição, porém,devemos tomar cuidado pois o Ibmec São Paulo não resolveu trocar de nome sem mais nem menos.

A principal razão pela mudança se deve ao fato de outras Ibmecs (Rio e Minas) começarem a abrir mais filiais. Essas novas filiais, não mantendo a qualidade depreciaria o nome Ibmec. Outro ponto importante é que diferentemente da FGV, a Ibmec Rio e Minas não são filiais da Ibmec São Paulo. Enquanto em São Paulo o Ibmec é controlado por uma instituição sem fins lucrativos, os Ibmecs Rio e Minas não apresentam a mesma realidade.

Com realidades e interesses diferentes, é razoável o Ibmec São Paulo tomar essa iniciativa que traz uma identidade única para essa comunidade.

Afinal, nomes mudam, valores ficam.

carina disse...

Complicado ... Porque IBMEC era uma marca forte ... Cabe ao dpto de mkt saber trabalhar o nome Insper tb de forma a se tornar tao forte quanto o anterior.

Aluizio disse...

Sei que o nome Ibmac é muito forte como o da FGV por exemplo, onde fiz MBA também, porém tanto a FGV quanto o Ibmac filiais não tem a mesma qualidade de ensino das unidades de SP, então acho correto perder o vinculo, devido a manter a qualidade de ensino de SP, e logo a Insper ganha nome forte no mercado, pois os profissionais de lá sairam melhores qualificados ...

Rafael disse...

Ótima mudança ! Pois o IBMEC-SP é consideravelmente superior aos demais. E acredito que instituições de ensino tenham que ser sem fins lucrativos. Além disso, vê se existe duas Harvard, duas Oxford ou duas Universidades de Cambridge?

Analista disse...

A troca se faz pertinente diante do processo de "ambevitização" que o Ibmec Rio/Veris passa. Cai a qualidade do ensino, cai o valor de marca. A verdade é que enquanto o ibmec rio/veris fica pensando quanto vale a marca outras empresas estao crescendo.
Para quem quer ser o "ricardo eletro" da educação, o ibmec/veris ta no caminho certo. so falta focar em preço pois a qualidade ja foi pro beleleu!